Subscribe
Youtube
Heart
Pessoas,
Vampiro - A Eternidade da Solidão, nasceu no Blog SM-Sem Mistério. Como nem todos gostam de ver Morceguinhos misturados com Fetiches, os blogs foram separados. Porém para quem é ligado em mais de um Fetiche, vai aqui o link direto para o SM Sem Mistério. Lembrando que trata-se de um espaço com conteúdo adulto (artigos fetichistas, filmes livros e trilhas sonoras pra baixar). Bom passeio virtual a todos.
Clique para ir

post portal
para o filme
A marca do vampiro (1935)


Post 01
Manual Prático do Vampirismo (cont...)

APRESENTAÇÃO

Na noite de 5 de maio de 1985, cansados de uma longa escalada ao cume do Pico da Bandeira, eu e Nelsinho resolvemos passar a noite num misterioso hotel situado a alguns quilômetros do abrigo de alpinistas. Nós pretendíamos dormir assim que o jantar acabasse, mas um outro hóspede do hotel mudou nossos planos.

Sentando-se em nossa mesa, sem a menor cerimônia, o hóspede - que se apresentou como um finlandês, mas cujo sotaque lembrava alguém dos Balcãs - disse que se chamava Flamínio de Luna, e que tinha lido numa revista uma reportagem sobre meu interesse por vampiros. Afirmou que tinha sido testemunha de um caso de vampirismo com alguém que amava, e por causa disso havia jurado fazer todo o possível para desmascarar o mito - criado pelos próprios vampiros - de que tais criaturas não existem. Durante anos pesquisou suas origens históricas, suas raízes no mundo de hoje, e as fórmulas para identificar e combater um vampiro. Alto, cabelos brancos, vestido com muito mais elegância do que o lugar ermo onde nos encontrávamos permitia, Flamínio a todo momento lamentava a perda de Mata Ulm (cuja história vai contada na Quinta Parte desse livro), afirmando ter sido este seu único amor nos muitos anos de existência. Durante horas a fio ficamos ouvindo, fascinados, aquilo que nos parecia ser uma grande esquizofrenia, mas uma esquizofrenia inteligente, onde as menores peças faziam sentido.

No dia seguinte procurei Flaminio de Luna para conversarmos mais sobre o tema, mas soube que ele havia partido. O caso não teria passado de uma bela história para contarmos aos nossos amigos, quando recebi - duas semanas mais tarde - o manuscrito de O MANUAL PRÁTICO DO VAMPIRISMO. O pacote, entregue pelo correio, não trazia o endereço do remetente.

Meses depois, por acaso, encontrei no jornal CORRIERE DE LA SERA uma notícia surpreendente, a respeito de uma série de assassinatos ocorridos em Palermo, na Sicilia. As vítimas eram encontradas com a garganta aberta, e sem um pingo de sangue. Apesar das autoridades locais atribuírem os crimes a uma vendetta da Máfia, grande parte dos habitantes - principalmente os mais velhos - juravam que tudo aquilo era obra de um feiticeiro, nascido em 1815, e do qual não se tinha notícia de haver morrido. Seu nome: Flamínio Di Luna.

Pela descrição dos habitantes de Palermo, quero acreditar que o finlandês do hotel e o assassino de Palermo são a mesma pessoa. Neste caso, Flamínio (ou Flaminius) pertence aquela categoria de pessoas que se rebelaram contra a própria natureza, mas não tem meios (ou coragem) para se libertarem dela. Fornecendo a pista correta para sua destruição, Flamínio deixa aberta a porta de seu renascimento.
Mais uma coisa: pedimos ao leitor que se aventurar por estas páginas, que seja muito prudente ao tentar colocar em pratica qualquer ritual aqui descrito. Depois da conversa com Flamínio de Luna, não me custaria nada afirmar que os vampiros existem.

PAULO COELHO






PREFÁCIO

Este livro de Nelson Liano Jr. em parceria com Paulo Coelho, que há muito vem estudando este obscuro setor do ocultismo que é o Vampirismo, é sem dúvida um gratificante exemplo de uma pesquisa séria para além dos umbrais do materialismo que, dominando e envolvendo o mundo contemporâneo, nele propaga culturalmente um certo desleixo para com uma missão mais espiritual dos fatos e da vida.

Os autores nos mostram, através da temática que tão bem dominam, quanto o homem contemporâneo necessita libertar-se da prisão das aparências através de uma atitude mental sadia e guerreira (samurai), segundo a qual, por sua vontade, possa desenvolver uma condição mais criativa no mundo, sem deixar-se dominar pelo emocional.

Em boa hora chega este livro, tão necessário ao homem moderno, passível de vampirizar-se a si mesmo pelo desânimo diante de uma civilização em que vencer significa dominar seus semelhantes, e a revolta dos oprimidos leva o nome de subversão. Porque vampiro como bem colocam os autores é aquele que nem aceita carregar sua cruz e viver dignamente e o seu destino evolutivo, nem aceita morrer. Suspenso em um limbo nem de vida nem de morte, alimenta com a energia do sangue alheio, uma elegante aparência de saúde.

Assim, com forte vigor cultural e poético, o vampiro nos é apresentado, neste livro, como um ser que, revestido de sua própria solidão rompe esta lei natural do cosmos, que é a constante troca energética entre as diversas manifestações da Vida.

Pautado em vários anos de estudos e pesquisas, este livro nos adverte quanto aos benefícios de uma vida sadia, sintonizada segundo um comportamento ético e é um bem-vindo exemplo de que o, para mitos, insólito enfoque (de um estudo) ocultista, tem uma contribuição prática e filosófica inestimável para a compreensão do cotidiano, e principalmente para uma corajosa atitude de luta em favor dos mais nobres valores da humanidade, numa época em que o progresso científico e tecnológico tem lançado o ser humano diante de um tão grande leque de opções em todos os sentidos, determinando, em função de interesses políticos e econômicos, um outro tipo de vampirismo, em que certa confusão mental pode levar a uma indiferença emocional e à descrença, culminando com a atitude de tantas pessoas que é a de temer a morte e portanto não se engajar na vida, como qualquer vampiro.

Neste "Manual Prático do Vampirismo", Paulo Coelho, resumindo sua trajetória de estudioso vampirólogo, irmana-se com Jean-Paul Bourre, pesquisador de Vlad Drácula (O Drácula de Bram Stoker) a cuja contribuição acrescenta imparcialidade, a ele nivelando-se em liberdade de pensamento e conhecimento.


Recomendações

Eu, KAANDA ANANDA, recomendo este livro a todos livre pensadores, - livres para voar e morrer nas alturas, donde, projetando-se com os raios do sol, venham a renascer cada vez mais luminosos.
Parabéns ao Grande Shogun Paulo Coelho e ao dedicado Nelson Liano Jr.
KAANDA ANANDA
--------------------------------------------------------------------


Vampiros

Os vampiros são às vezes bons e às vezes maus. E às vezes bons e maus!
Os vampiros segundo alguns são seres extraterrestres que viajam em discos voadores invisíveis. Segundo outros, os vampiros são antigos seres humanos sábios, espécie de mandarins-gurus que obtiveram grandes e eficazes resultados quanto à longevidade, atingindo assim a vida eterna, velha meta dos taoistas e de vários outros magos tanto do Oriente quanto do Ocidente!
Ainda sobre os vampiros: eles além de serem tão eternos (e nisto realizam uma das metas fundamentais do marxismo! que segundo Jean Paul Sartre é a meta da conquista das estrelas e a conquista da morte!) são também o pilar pi-Freudiano da bi-sexualidade!
Os dois autores desse livro são meus amigos, e portanto somos três Vampiros?
E/ ou proto-vampiros que vos escrevem e que declaram em uma Nova Solidariedade!
Vampiros do mundo todo!
UNI-VOS!
JORGE MAUTNER


Manual Prático do Vampirismo
Próxima Página
Voltar ao Índice




BAIXAR O FILME


Mark of the Vampire (1935)
A Marca do Vampiro


Sinopse
Após o misterioso assassinato de Sir Karell, foi sustentada a tese de que um vampiro o matou, pois lhe faltava sangue e marcas haviam em seu pescoço. Com isso o Professor Zelen (Lionel Barrymore) vai até a mansão um ano após, para tentar desvendar o mistério. Logo, se descobre que um castelo próximo foi alugado, e que a assinatura do contrato é a mesma de Sir Karrell (já falecido). Após ataques à Irena, filha de Sir Karrell e única herdeira da fortuna, eles desvendam que o Conde Mora (Bela Lugosi) e sua filha estão no castelo, e Sir Karrell também é um vampiro assim como eles..

Diretor: Tod Browning
Roteiro: Guy Endore e Bernard Schubert
Produção: Tod Browning
Elenco: Lionel Barrymore (Professor Zelen); Elizabeth Allan (Irena Borotyn); Bela Lugosi (Conde Mora); Lionel Atwill (Inspetor Neumann); Jean Hersholt (Barão Otto); Henry Wadsworth (Fedor Vencenti) e Carroll Borland (Luna Mora) Ano: 1935
Duração: 60min.
Audio: Inglês - Legenda: Português

Baixando o Filme pelo Rapidshare

primeira asa do morcego aqui
segunda asa do morcego aqui
acordando o vampiro - use a senha - http://farra.clickforuns.net


Manual Prático do Vampirismo
próxima página
voltar ao índice

0 comentários:

Postar um comentário

TERMOS DE USO

Termo De Uso. VAMPIRO A ETERNIDADE DA SOLIDÃO não hospeda e não faz upload de nenhum arquivo, apenas indica onde encontrá-los. Todos os arquivos estão hospedados na internet, o usuário deverá estar ciente que ao baixar algum material que possua direitos autorais, deverá permanecer com o mesmo, em seu computador, por apenas 24 horas, após esse prazo, deverá comprá-lo ou apagá-lo. VAMPIRO A ETERNIDADE DA SOLIDÃO
Online Advertisingfile recovery